O significado da Rosa Pestalozziana

O Símbolo foi criado pelo médico e pintor Ayrton Martins de Seixas, que foi também o primeiro diretor da Sociedade Pestalozzi do Rio de Janeiro.

Em 1977, a marca foi aprovada em assembleia geral, realizada em São Paulo, para identificar todas as Associações Pestalozzi do Brasil.

O símbolo mostra uma rosa vermelha, com contornos pretos, haste na cor preta de onde brotam 5 folhas e 5 espinhos também pretos, sendo que dois se encontram do lado esquerdo e três do lado direito.

O símbolo remete a algo que fere e machuca a quem não sabe tocá-lo, no entanto, gratifica e perfuma quem sabe respeitá-lo, amá-lo e senti-lo em sua profundidade.

Os espinhos lembram as dificuldades e os tropeços surgidos no início da vida, da tarefa educativa do deficiente e que, pouco a pouco, quando trabalhado com determinação e amor, dão lugar ao perfume e a cor da vida.

O deficiente intectual, quando observado em sua totalidade, com amor, orientação adequada, tratamentos e cuidados necessários, desenvolve seu potencial de personalidade humana, integrando-se na vida familiar, na escola, na comunidade, como indivíduo pleno em seus direitos e conquistas, como cidadão.

Contornam a rosa três traços amarelos, que simbolizam três aspectos desenvolvidos pela Pestalozzi: saúde, educação e social. Integrados, porém não fechados, expressam a visão multidisciplinar do trabalho desenvolvido pela entidade.